sexta-feira, 17 de novembro de 2017

ARDER DE PRAZER

Beijavas-me a boca toda.
A tua não conseguia ter mais profundidade
para a minha, inquieta e com espaço
céu dela e todos os seus limites.
Lambias-me tão bem
enquanto roçavas a barba no meu rosto
rebolando-me eu por gosto
dizendo-te, que tudo era corpóreo, devasso
pedindo-te para me fazeres arder.
 
Os meus cabelos, libertinos
bem escurinhos, à-vontade e num desatino
eletrizavam-se às tuas puxadelas
o pescoço, às chupadas
que deslizavam já na fronha empapada.
Na tua boca, sôfrega
e nos teus olhos, esfomeados 
aquele desejo desnorteado e descontrolado
para me possuíres e usufruíres.

Até à cama, eu bem sabia
como fazer parte deste inesquecível bacanal
contrariando a mudez da madrugada
e então, gemia e uivava
agarrando-me à cabeceira do leito manso
balanceando-me com arte
abrindo e cruzando as pernas, magicamente
envolta num lençol branco, ousado 
para enfatizar e atear o cenário.
 
Nesta deslumbrante luxúria
deixei cair uma lágrima, tímida e involuntária
não, não por dor, meu amor
mas por contentamento, motivação, prazer
por saber que iria haver cumplicidade
de parte a parte
da carne consumir a carne
e que, olhos nos olhos
soltaríamos uma desaguisada gargalhada
trincaríamos a orelha um do outro 
e tu, ainda saboreando
este momento, para sempre lembrado
atarias os teus braços aos meus, simbolismo
e entre sussurros, eu diria:
como sabes fazer bem amor, desgraçado!
 
Tu, nada surpreendido
olhar-me-ias, desafogadamente
responderias, de boca inebriante e confiante:
isso, é mesmo verdade?
Mais tarde, e antes que as tuas pálpebras
cedessem ao sono
algo me chegou, como uma vulcão indomável
e disse-te, pela primeira vez:
ah, como gosto de ti, como te amo!
 
Tu, na maior das calmas
irritantemente, sereno, entusiasmado
docemente sorrindo e fingindo-te surpreendido
afirmaste: não posso acreditar!
Estás a falar a sério?
Evidente que sim e não admito dúvidas
 e assim, vou pedir e exigir-te que me dês prazer
elevando-me a orgasmos múltiplos
como sabes, que consigo ter.
 
De seguida e na sequência
exteriorizaste e aplicaste a mordidela esperada
banal, inconfundível, punitiva
nos meus seios com todos os teus dentes
como se a minha dor
fosse o prémio merecido, por essa revelação.
Em certa medida, sim
pois essa noite nunca mais terminou
e nós continuamos a senti-la.
 
Os meus pobres mamilos
asseguro-te, que ainda pulsam e estrebucham
rijos, hirtos, endurecidos da tua boca 
e desde dessa noite
eu ardo, eu continuo a arder, sem parar.
Antes, não era assim
mas agora, que estás distante
geograficamente, não no peito, que sente
arder dói, ah como dói!
 
Escrever, escrever muito
sei que é a única forma de alívio e tratamento
que talvez possa ajudar a minha pele
desse ardume tão doloroso
dessas lembranças tão vivas e dominantes
que me massacram e atenuam
como se elas fossem
uma espécie de bálsamo homeopático
para a nossa longa história.
 
Estou certa, que regressarás
quando eu deixar de escrever para toda a gente
e colocar as palavras, as minhas
completamente de lado.
Nesse dia, deixar-me-ei consumir, desejosa
de tanto pretender fornicar contigo
não mais como uma personagem principal
de uma história hipotética e erótica
mas, somente da nossa.
 
 
Autora: CÉU 

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

SINESTESIA

Fico assustada com a minha falta de vergonha
libido, sempre em corrente elétrica
do teu olhar para o meu, não há palavras
convite descarado dos nossos corpos arrojados
coação, nítida, da nossa química e atração.
 
O modo, o jeito com que me pegas e me levas
aos beijos abarrotados de vontades
e a tua boca, a tua língua, o teu pescoço
apertam os meus seios e lambem a meu corpo
e eu fico transtornada, inundada e aliviada.
 
Penetra-me animal voraz, carnívoro e sedento
satisfaz a tua selvajaria paranormal
para que eu atinja o orgasmo, rapidamente
com a força das tuas coxas e a dos teus braços
o teu peito, escudo e armadura, potentes.
 
Os teus contornos ajudam o teu feitio aliciante
o teu membro, sempre em crescimento
toda essa grande beleza, lascívia e natureza
enchem-se de anseios promíscuos, leviandades
- ah, divindades, que paraíso infernal, o meu-!
 
É nesses teus braços, muito melhores que laços 
que me viras de costas e puxas o cabelo
me beijas as convexas degradações da coluna
roçando, esfregando o teu ventre de alto a baixo
duas metades, que se unem, simetricamente
revelando as tuas excitações e taras
introduzindo a tua espora por caminho fundo
obstinadamente, insaciável e desmesuradamente.
 
Anel de pele fina, veias, artérias, capilares, nervos
que se abre servil, domado e conquistado
sinestesia vinda do teu movimento cadenciado
a pungente, a mas deliciosa dor, chegando
e esta minha falta de vergonha, sem fim anunciado.


Autora: CÉU


sábado, 16 de setembro de 2017

EU NÃO ESTAVA A PENSAR EM NADA


EU NÃO ESTAVA A PENSAR EM NADA
 
 
Depois de mais um dia de sol, nu, deitado em sua cama, janelas abertas, apenas uma suave brisa marítima e um luar prateado inundaram aquele aconchegante ninho. Um breve olhar para o teto, calmamente, fechou levemente os olhos e num flash telepático, desejou profundamente a presença dela...

O calor abrasador do verão e as lembranças daquele corpo moreno, confundiram seus pensamentos, que aos poucos, meio dormentes, meio vigilantes, no silêncio da noite, simularam o confuso estado de letargia e o relaxar profundo de todos os músculos bronzeados do seu corpo.

Como por encanto e com muita sutileza, sentiu no quarto um raro perfume! O perfume dela! Sequer ousou a abrir seus olhos. Sentiu na pele, arrepios provocados pelo deslizar de unhas, que calmamente, exploraram cada parte do seu corpo. A partir dos seus pés, subiram serpenteados em ziguezague até o seu rosto. Acompanhou ansioso as trajetórias excitantes, que despertavam cada célula da sua pele. Sentiu o frescor da respiração dela a aprumar os pelos do seu peito.

Percebeu que algo mais pesado e quente repousou sobre o seu peito, dando-lhe a sensação, que acabara de ser montado como se um cavalo fosse. Como uma criança no escorregador, lentamente, ela deslizou seu ventre tronco abaixo. Bem devagarinho! Encontrou no percurso, no vértice das suas pernas, o obstáculo ereto, que ela procurava. Percorreu aquele membro rígido de baixo para cima, até ao topo, onde encaixou-se perfeitamente, vestindo por completo bem fundo, tomando-lhe para si, ajeitando-se com suavidade, como um cavaleiro sobre a sela. Ele se portou como se um gigante fosse!

Ao apertar os joelhos às ancas dele, premeditou suas intenções, de, tal qual um jóquei, cavalgar do passo lento ao galope desenfreado a perseguir a vitória! Foi isso mesmo, que ela fez!

O roçar dos mamilos sobre seu tórax, marcou o ritmo do galope! Sentiu imensa vontade de abrir seus olhos. Resistiu!

Todos os músculos do seu corpo estavam sob tensão. No auge da cavalgada, seu hálito balsâmico e ofegante se misturava ao dela. Galopava ela com doçura e especial controle de todos os avanços e recuos, que a cavalgada exigia!

Na reta final, já próxima à exaustão, o calor desprendido pelo atrito dos seus corpos numa fusão de veias dilatadas, estimulava o consequente turbilhão, que se iniciaria nos próximos instantes. A iminente erupção desejada da lava incandescente, que ela já pressentia percorrer o trajeto ascendente até jorrar em repetidas golfadas. Prendeu a respiração. Seu coração pulsava na carótida!

Suspiros em dueto aos poucos silenciaram! Um sopro morno e perfumado percorreu seu corpo agora despovoado. Inalou os resíduos do perfume, que dela ficaram no ar.

Ainda incrédulo, apalpou o lençol à procura de vestígios de mais um sonho de adolescente. Nada! O lençol estava seco. Um leve desejo de abrir os olhos e gargalhar, sentiu, porém, conteve-se e degustou com prazer aquele efémero momento de felicidade!

Girou seu corpo e simulando um feto, imaginou-se Adão numa noite de amor, em mais um ardente verão no Paraíso. Adormeceu!


Autor: Vítor Nani, ilustre médico e um amigo, de verdade!

Visitem-no em: http://vitornani.blogspot.com.br/
 
 
 
EU ESTAVA A PENSAR EM TUDO
 
 
Após o dia tórrido, que se tinha feito sentir, deitei-me na tua cama, sem nenhuma peça de roupa, tendo, apenas, por companhia a aragem da noite, a janela atenta e amena e a lua, cheia e curiosa. De olhos semicerrados, olhei o nada e o tudo que eras tu e que acabavas de entrar no quarto.
 
Deixei-me ficar, assim, imóvel, serena, esperando que me espicaçasses e aliciasses para a vida, mas ficaste parado junto à cama, olhando-me.
 
Farta de parecer, que estava hibernada, puxei-te, com raiva e firmeza, para mim, começando por tirar-te a camisa, mas, rapidamente, tu retiraste o resto, que era pouco e atiraste-te para a cama, colocando-me, estrategicamente, por cima de ti.
 
Agitei e despertei, ainda mais os meus cabelos, abusei do batom vermelho e coloquei-me na posição de cavaleira, sem antes, verificar se o macho, que iria montar, aguentaria a forma de passeio, por ele escolhida, pois ele iria ficar à minha mercê, comandando eu as operações na arte de montaria, para além do meu prazer ser favorecido, aumentando o estímulo do clítoris.
 
Olhando-te, languidamente, comecei com movimentos lentos, pensando nos riscos que poderias correr com este galope: as fraturas no pénis, embora saiba que este assunto nunca te passa pelo cérebro, mas pode muito facilmente passar-te pela cabeça, pois, essa, se houver um entusiasmo exagerado, pode ficar lesionada, porque os exageros pagam-se, sempre, como tu sabes e todos a gente sabe.
 
Cuidadosamente, aumentei o ritmo, enquanto te beijava a boca e te lambia o peito, felizmente, de pelos claros e escassos, nomeadamente os teus mamilos tão pequeninos e expressivos, mas tu, pressionando as minhas ancas e nádegas, querias uma dança rápida, forte, esfoliante, e tanto me elevavas, quanto me puxavas para baixo. Não, não deve ser assim, já te tenho dito, pois o importante não é chegar, rapidamente, ao fim da viagem, mas sim apreciar e saborear a paisagem circundante, ao mesmo tempo. Eu sei que é difícil para o macho entender e pôr isto em prática, mas compete à fêmea ir controlando a situação, ou seja, pondo a mão, firme e lassa, na "arreata" (desculpa a figura de estilo)!
 
Abrandei, depois parei, e, de imediato, abriste os olhos, sumidos e perdidos. Peguei no teu pénis, já quase em repouso, e decidi barrá-lo com um creme, mistura de coco, quivi, amêndoa e chantilly, que preparara, antecipada e propositadamente. Mesmo insatisfeito, permitiste a minha ação, que iniciei com as mãos e depois com os lábios e a língua em toda a tua cuidada zona genital, saboreando e lambendo, tão invulgar iguaria. Começou a animação, pois então! Queria proporcionar-te uma festa de ternura, de imenso prazer e luxúria, até que jorrasses, em abundância e com pouca elegância, o elixir dos sentidos, das sensações e das emoções.
 
A vida crescia, a azáfama, também, e duplicavam-se ou triplicavam-se os momentos de alegria, gozo, alívio, saciedade e até sensibilidade, essa, mais minha!  Com vários propósitos, fiz de fera, mas para compensar entreguei-te os meus seios para veres com minúcia (ai, que lírica, que eu sou!), beijares, sugares e te deliciares. Os murmúrios e os sussurros começaram a ouvir-se, indicando que o corpo estava quase abastecido e, naturalmente, rendido. E suspiros e ais continuavam, num envolvimento louco, feliz, sincero, tão muito, tão pouco! O âmago tinha chegado a ambos, embora em tempos diferentes, mas nunca vi, nunca vimos nisso nenhum problema. Os lençóis manchados e molhados, olharam-nos, como habitualmente, ou seja, com cumplicidade, afeto e hospitalidade.
 
Não tinha sido um sonho, antes estávamos no nosso paraíso real. Obrigado, minha querida, minha vida, disseste! Obrigada, meu querido, meu doce amor, retorqui!

Depois, tu adormeceste e eu fiquei a olhar-te. O meu sono chegou mais tarde. 
 
 
 Autora: CÉU 

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

TU NÃO MUDASTE!

O meu corpo, esta imensidão traquina
fruta apetitosa, de sumo doce
paraíso leve, recatado, que te fascina
íman, atração carnal, de veludo
que te apetece, sem regras
por isto, aquilo, por nada e por tudo.

Quando lhe tocas e o acaricias bem
aliviando-te nele, à descarada
esqueces o bom senso e a decência
entre prazeres e proeminências
que calas na minha boca
entregando-me, eu, já em demência.

E eu danço para ti, com tanto perigo
com tão pouca noção e juízo
que pressentes, de imediato, o risco
mas o medo não há meio
ficando eu acesa, já labareda
até que tu coloques nisto algum freio.

Afagas, beijas e lambes-me os seios
esquecendo logo, quem sou
e tu de sentidos nulos e perdidos
deslizas na minha pele, já em chamas
e dizes, gritando, eu não mudei
por isso, continuas a amar-me, eu sei.

E depois de tudo isto, tudo se resume
ao amor, que fazemos, sempre
como se fosse a primeiríssima vez
na mesa, no chão, no tapete, na cama
e quantas vezes, na imaginação!
Que tamanha tortura! Não, não e não!


CÉU

domingo, 16 de julho de 2017

ENTRE NÓS!

POIS, EU SEI, LENINHA, QUE O VÍDEO É UM BOCADINHO "ARROJADO", MAS TU CONHECES-ME MUITO BEM. NADA A FAZER, MINHA LINDA!
 
 
ESTE VÍDEO É INTEIRAMENTE PARA TI. ESCUTA-O COM ESTRELAS NO OLHAR, SORRISOS NOS LÁBIOS E ROSAS BRANCAS NAS TUAS ABNEGADAS MÃOS.
ATÉ LOGO! DEPOIS, FALAREMOS. BEIJOS, MUITOS! ATÉ SEMPRE!


CÉU

sábado, 27 de maio de 2017

HUM...

Começa, lenta e suavemente, por abrir o fecho
afagando-me a pele, já em rebelião
doando-se requintada, luxuosa, ressabiada
e logo de imediato, tira-me o vestido.
Calma, não tenhas pressa! Respira e analisa
docemente e pormenorizadamente, e depois, ação.
 
Quase no ponto. Continua! Ora, deixa-me assim 
nua, desamparada de tudo e toda tua.
Acaricia-me e lambe-me da cabeça aos pés
mas com jeito, serenidade e preceito
e percorre a seara do meu corpo, ondulada
com a tua língua e saliva, escaldante, serpenteada.
 
Todavia, detém-te nas papoilas, que encontrares
colhendo-as e guardando-as na boca
para me deixares cheirosa, única e apetitosa.
Espera! Finca o teu olhar no meu
penetrando-me com ele, silvestre lírio roxo
entrando e saindo, continuando, e sempre a pino.
 
Acende-te e mantém o meu fogo. Insiste, resiste!
Deixa-me alheada, sem saber de mim
em transe, gozo, em contra mão e sem noção.
Ai, espera! Não te apresses. Faz com calma
Isso, assim mesmo. Gosto, gosto! Hum...
não digas nada, deixa-me açambarcar este tempo.
 
Escorrega, desliza, suaviza-me e tira-me o senso
deixando-me em brasa. Vulcão excitado
já quase a entrar, sem me avisar, em erupção
com réplicas incisivas e sucessivas.
Queima-me, beija-me, desfaz-me do mundo
e não te preocupes, nem te ocupes com mais nada.
 
Hoje, sou tua, tu és meu, sim, somos um do outro
vamos ficar na madrugada, que não mente
e saborear o outro dia, os outros dias.
Não penses no eterno, no eternamente, agora
ele é, unicamente, este momento
então, vivamo-lo, com grande intensidade
enquanto dure, meu homem, de hoje e de sempre.
 
 
CÉU


domingo, 23 de abril de 2017

AMANTES

Não me perguntes. Vê nos meus olhos
nos silêncios da minha boca
que, por vezes, não sabes interpretar
nas palavras, que não digo
no meu corpo, que sempre te desejou.
 
Fomos e somos amantes um do outro
nunca fomos outra coisa
desde o primeiro olhar, apaixonado
desde o primeiro dia
em que nós o decidimos e assumimos.
 
Recordas-te, que passado algum tempo
pus as cartas todas na mesa
sem guardar para mim, nenhuma
dizendo-te: não estou só
o meu coração não está despejado
não sou uma mulher livre
e por agora, não posso, nem devo sê-lo
 revelando ingratidão, se o fizesse.
 
Não chegaste à minha vida tarde demais
chegaste no momento certo
quando o amor não se fazia sentir
ainda no meu peito
mas o tempo não se detém
transformando conjunturas, nunca afetos.
 
Tivemos ganas de nos amarmos, no físico
dentro, o amor sempre existiu
e uma vez, lembro-me, arriscaste tudo.
Frente a frente e ambos ocupados
abraçámo-nos, todavia, vezes sem conta 
beijamo-nos, apaixonadamente
e os dias, foram segundos, que esvoaçaram.
 
Não me ponhas entre a espada e a parede
peço-te, hoje, mais uma vez
nem me obrigues a escolher, a eleger
entre um adeus e outro adeus.
Não quero lastimar-te, nem lastimar-me
tudo está como estava
e nós continuamos a sentir o mesmo, sempre.
 
São estas correntes, estas plácidas correntes
que não posso, nem quero romper
mas, que um dia, se abrirão
lógica e naturalmente
senão, o mundo perderia o sentido.
Mais uma vez e sem hesitar
ponho, agora, as cartas todas na mesa
sem guardar para mim, nenhuma.
De ti, meu amante, de sempre
depende a continuação do jogo limpo, ou não.


CÉU


terça-feira, 21 de março de 2017

O POETA

COMEMORA-SE, HOJE, 21 DE MARÇO, O DIA MUNDIAL DA POESIA!


O poeta gera e pare sonhos e fantasias, conta histórias
e vive memórias, incrível, que nem dele são
que se farão imaginação, demência ou verdade
vivendo dores pungentes e prantos alheios
trazendo, ao de cima, neste enleio e neste meio
um amor martírio, muita desilusão e mais as saudades.
 
E como se isso não bastasse, como se não fosse pouco
busca, indomável, nos sonhos dele, um rosto
que jamais encontrará, mas, só ele não vê isso
porque tem um pouco, um muito de louco
continuando, afincadamente, buscando, procurando
o que nunca perdeu, e que, paradoxalmente, não é seu.

Encontra o fim do arco-íris e junta-lhe ainda mais cores
achando tesouros de piratas e chaves de baús
que dá aos corações desafortunados e desalojados
descurando o dele, que do mesmo mal sofre
mas os sonhos, que trilha, mais vastos que a morte
oferecem-lhe horizontes irresistíveis, que o fazem delirar.

O poeta não possui calendário, passado, presente, futuro
nem relógios que o compreendam ou aceitem
que o façam parar ou avançar. O tempo é casmurro
porém, ele vive em muitas épocas e lugares
e em tantos cantadores e trovadores, mas em tantos
que entoam e tocam versos a mais, ao som de liras irreais.

Dão festas mentais, repletas de sensualidade e erotismo
e em cada momento que faz nascer poesia
o poeta renasce e perde a alma para ser de outro
antes, de muitas almas penadas e cansadas
que se vão perdendo numa boca surda e carnuda
e nuns lábios de mosto, ali à mão de semear, fogo posto.

Perde-se olhando uns olhos pacatos, arrasadores, de gato
acha-se com aquele marialva de viela e ruela
que fugiu da legítima, para uma saborosa escapadela
no quarto mais reles, que já excitado encontrou
onde o poeta tem tantos rostos, gostos, contragostos
que se pararmos, para lhe escutarmos o peito
ouviremos trombetas e clarins, entoando, exaltando
de batida diferente, insensata, descoordenada e incoerente.

Tanto novo, quanto velho, o poeta é eterno, nunca fenece
e nos anos e séculos que se seguem, é gente
que vos pede, encarecido, que não desconfieis dele
porque pode engendrar e criar mil e um versos
arrebatadores, acerca de histórias de bizarros amores
que caso não pareça que é ele, ele é aquilo que não parece.

Porém, se ele parecer insensato, inominável, algo abstrato
não o culpem dos desenganos e desencantos
dos planos, por água abaixo, destronados, arrasados
porque a culpa é dos desencontros, que gritam
dos olhos desiludidos, exaustos, desbotados, perdidos
que guardam as desventuras dos poetas, que nele habitam.


CÉU


terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

PAIXÃO

A minha paixão por ti é tão sincera e prudente
a tua por mim, nobre, mas irreverente
que os sentires que nos incitam e excitam
causam em nós enorme turbulência
acelerando-se quando os nossos corpos
propiciam e fazem a fusão.

Não consigo avaliar neste jogo tão verdadeiro 
se há perdedores ou se há ganhadores
embora sinta, tenha a certeza, saiba de cor
que o teu amor, quase sempre, me vence
exacerbando-se quando a tua infalível tática
rompe o silêncio propositado
enquanto que, no meu vestido encarnado
majestoso, audaz e descarado
o decote generoso, apelativo, mimoso
te prende, irresistivelmente.

Envolves-te e envolves-me num ato complexo
infringindo os meus privados desejos
desrespeitando e desautorizando, vilmente
 os meus parcos e insuficientes poderes
com fúrias e instinto de animal selvagem
que não se consegue domar
provocando no meu corpo inteiro
um abrasador arrepio, sob a forma de calor
originado pensamentos primários e ordinários
que quero praticar, dê por onde der.

Em seguida, e desejando fazer valer tudo isto
inundas-me e conspurcas-me de amor
bebemo-nos um ao outro, paulatinamente
sem desvelo, calmamente e sem gelo
comemo-nos da cabeça aos pés
numa atitude animalesca e até dantesca
fazendo pirraça a toda a gente
que não é capaz de se empanturrar  
bulimia, que nem a mais eficaz terapia
 daria para controlar e debelar.

A qualidade e a leviandade do prazer é nossa
ao deixarmos de ligar à lucidez, de vez
esquecendo regras e etiquetas
cedendo tu a tudo meu e eu a tudo teu
sem quês, nem porquês
triunfo desta guerra sem tréguas.

Quando explode a febre dócil do nosso querer
somos pólvora ao lado da chama
que ninguém consegue deter, parar, apagar
neste fogo de labaredas e lume
que em ambos crepita, vive e grita
não sentindo nós receio de assim estar
ao rubro e até de incendiar
pois, pode ser um risco, como todos sabem
a função mais básica de todas elas
o simples ato de respirar.


CÉU 


sábado, 14 de janeiro de 2017

QUASE

Lembras-te, será que ainda te recordas
que quase, quase, chegámos lá
ao ponto crudelíssimo e impiedoso
em que os ímpetos, desordeiros
despertam e desesperam as vontades
em que os desejos inclementes
deglutem tudo o que veem?
 
Foi por um quase, que não chegámos lá
e nem sequer chegámos a partir
pois os beijos afogaram as palavras
aves, corpos de arribação, soltos
que abriram asas e se emanciparam
em busca de prazeres mundanos
enquanto os olhares se leem.
 
Queres? Perguntaste-me, com voz terna.
És capaz de te lembrares disto?
Já estávamos nos tecidos da carne
e eu que tanto quis e esperei
tive forças para guardar o momento
o grandioso instante para depois
nas pupilas, que anteveem.

Nelas, tudo permanece igual para sempre.
Existirão impossíveis? Pensámos!
Questionamo-nos, prudentes, tementes
de uma resposta mal fadada
que não desejávamos, que chegasse.
Afirmei: não penses nisso, agora
pois tenho a certeza absoluta
que este nosso invulgar amor continuará
e que um dia havemos de ser eternos
mesmo de longe!


CÉU


ACORDE, PARA O ACORDO!

ACORDE, PARA O ACORDO!

NOTA

ESTE BLOGUE FOI CRIADO A 14 DE FEVEREIRO DE 2015

Número total de visualizações de página


Quiero uno en mi blog