domingo, 6 de outubro de 2019

SABES-ME

Sabes-me sempre a tão pouco, meu amor
quando em mim atracas, com volúpia
de boca esfaimada, explorando a minha.
O teu cabelo cheira-me tanto a luar
que ata com nós firmes a nossa paixão
a que construímos há tanto, tanto tempo!

Deixo que as lágrimas teimosas e mornas
beijem o meu rosto e os cantos da boca
que já só sabe à tua, invariavelmente.
Depois, misturo-a com a saliva, ardente
numa alquimia pagã, nunca permitida
tendo o teu corpo, louco, pressa orgástica.

Abraças-me, então, muito melhor que o ar
e eu enleada em ti, sou, somente, ave
a proteger-se do furor das tuas palavras.
Cantas-me, doce, a vida consagrada
quando me fazes tua, incansavelmente
no delírio e no mutismo, ao mesmo tempo.

Não quero, não quero que me saibas de cor
quero, isso sim, surpreender-te sempre
e que te refaças para me amares de novo.
E de ave mansa, indefesa e à mercê
torno-me leoa, nos buliçosos prados de ti
sendo, simultaneamente, presa e predadora.

No meu corpo deixas muitos sinais urgentes 
que receio não ser capaz de satisfazer
entrando eu logo em pânico, atemorizada.
Assim, e mesmo não conseguindo abrandar
este desejo, esta fome, que de ti possuo
sei que o pouco que me dás, é tanto, tanto!


CÉU

terça-feira, 10 de setembro de 2019

COGITAÇÕES

Enquanto não tenho tempo para mais, continuo na inventariação de sentimentos, tarefa interessante e produtiva, para que eu me possa conhecer melhor, e todos os dias descubro algo novo, devo dizer-vos.
 
Embora não tenha estado, totalmente, afastada da blogosfera, sinto necessidade de escrever e de vos mostrar aquilo que escrevo. Tenho escrito sentires e estados de alma em folhas e guardanapos de papel, e até nas mãos já escrevi, para que a ideia não "fugisse", enfim, escrevo onde calha e sempre que surja a inspiração, mínima que seja.
 
Deixo-vos o que, ontem, escrevi no comboio (uma prosazita), numa curta viagem até à Gare do Oriente. 
 
 
Sei que existe uma força inexplicável, que me faz correr para os teus braços, para ti, embora jamais, em circunstância alguma, corra atrás da tua pessoa, porque não posso e porque não devo interferir no teu destino e mudar a tua vida. Isso, é da tua inteira responsabilidade e deverás ser tu a fazê-lo, se assim o entenderes e desejares. Será que sentes e tens a mesma força que eu?
 

CÉU

O MUNDO PASSA POR AQUI