RETIRADA DA INTERNET

RETIRADA DA INTERNET

sábado, 4 de julho de 2020

DIVAGAÇÕES

Na imensa solidão destas ruas intermináveis
dou trabalho às mãos em papéis brancos
e entrego-as às letras soberbas e cheirosas
lembrando-me de ti em cada fragrância
em cada memória dos teus gestos prováveis
carinhosas e fogosas imagens que persigo
projetadas em dias vivos, esperando a noite
para estendermos os nossos corpos
num doce enlace, como esculturas perfeitas
de um molde único, só expostas em templos.

Sou a que escreve os inomináveis instantes
dando-lhes a beleza doce das grandezas
das mulheres que conseguem ser princesas
que ousadamente se deixam olhar, fitar
e dizem com os olhos que estão guardadas
para quem as ame e venere como fêmeas.
Na brevidade dos minutos em que descanso
repetindo desejos, olho as janelas
de onde se espraia o negro da noite calma
a quem confio os dias que me envelheceram.

Atentem! Não pertenço a nenhuma geração
nem à imperfeita e interminável História
só invento, crio e recrio a minha, só minha
com o que possuo e que me pertence.
As histórias passam por nós, inundam-nos
como sombras dançantes que vão e vêm
como a alegria e a tristeza, o bem e o mal
tudo existe, mas sempre tu e tu
que não preciso que me beijes e abraces
bastando-me que me fales dos teus anseios.

A minha saia garrida balanceia diante de t
escondendo e revelando as minhas coxas
e a atrevida blusa excita os meus mamilos
que te fazem imaginar algo de encantar
tão somente no prazer de comtemplares
onde o poema vai mais longe que as mãos.
Despeço-me das palavras, mas voltarei
para enchê-las do que se passa na mente
das minhas noites possuídas neste corpo
donde saio apenas para desejar-te em mim.


CÉU

domingo, 7 de junho de 2020

VIAGEM

No lusco-fusco do quarto, sinto-te o corpo agitado
enquanto o coração se ilumina e te salta do peito
em raios de luz nunca antes vistos de tão fortes.
A escuridão ganha luz e aparecem as sombras
que permitem que me toques, sem me veres bem
sentindo-me eu presença assídua na tua existência   
caminhando a teu lado, ao longo de tantos anos
amando-te, tão desalmadamente, pelas noites fora
sendo o meu corpo penetrado pelo frémito do teu
que o reconhece pelo ímpeto na minha pele despida.

Absorves o calor dos meus lábios cruzando os teus
a intensidade dos mares dos meus tórridos olhos
quando vem inundar e beijar a areia das tuas praias.
Das minhas mãos acolhes o tato com que te acaricias
sentindo-te meu a cada instante, a cada gesto subtil
recebendo na essência de ti, o meu corpo carente
tomando-o, abraçando-o, beijando-o, sofregamente
numa louca excitação, de fazer inveja a toda a gente
deixando-o, completamente, entregue, sem hesitar
ao teu corpo descontrolado e húmido de tanto prazer.

Sinto e inalo do ar, o perfume da tua agradável pele
como se tivesses vindo daí, de tão longe, até aqui
como se estivesses bem perto e juntinho de mim.
As minhas mãos estrebucham no ar, procurando-te
fascínio, magia, aquela que te faz até mim viajar
ou, pura e simplesmente, vontade de te reencontrar. 


CÉU

O MUNDO PASSA POR AQUI