segunda-feira, 21 de junho de 2021

segunda-feira, 24 de maio de 2021

BANCO DOS RÉUS

Disseste-me, hoje, que me ias despir de preconceitos
lentamente, beijando a minha boca, pescoço e seios
e não, não fazias a mínima intenção de parar
pois estavas tomando para ti o meu saboroso gosto
apreciando o cheiro da minha pele sensível e apetecível.

E percorrias o meu corpo com as tuas esfaimadas mãos 
nuns momentos completamente louco, firme e hirto 
noutros, amorosamente e deliciosamente quase morto.

E sentias as minhas coxas a chamarem-te impunemente
os meus roucos gemidos e todos os meus sentidos
te impeliam para o meu néctar, que querias tanto provar.

Provaste-o bem, tal como o meu corpo com odor de jasmim
porque o meu corpo foi mais do que estavas a imaginar
foi mais do que uma sentença a que entregaste sem vacilar.

Ficaste com a certeza de não querer que te parasse de julgar
e pude fazê-lo com sabedoria enquanto fizemos amor 
os dois encaixados, em êxtase, no banco dos réus.
Que a tua pena seja sempre dura, pesada e prisioneira 
tendo só como liberdade o meu corpo e este doce mel meu.


CÉU

O MUNDO PASSA POR AQUI